quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Me sentindo no fundo do poço...

Hoje levei "uns tapas na cara".

Estou me sentindo muito mal.

Não sei porque eu escolhi a Medicina, não sei porque isso é a única coisa que realmente me vejo fazendo da vida, achava que era por causa das pessoas, mas realmente sempre gostei mais dos animais, SEMPRE.

De modo geral não gosto das pessoas, pra mim, elas são culpadas antes de serem inocentes. Elas mentem, machucam e matam. Pessoas são repugnantes, pensam coisas nojentas e agem como primatas. Eu sou assim, tu é assim. Mas ao mesmo tempo acho isso fascinate. Acho que os defeitos, por piores que sejam, fazem as características mais marcantes das pessoas. Acho que é este mistério em torno do ser humano, sobre ele poder ser a escória ou praticamente um santo é o que faz querer continuar nessa área e não querer ter outra profissão. Acha isso doentio??? O enigma, acho que é a chave da minha persistência.

Não me acho inteligentíssima, nem super talentosa, mas quando resolvo fazer algo a respeito - de estudos- me dôo por completa. Sou perseverante, isso sim. Na época de colégio nunca fui a melhor aluna da classe, nem a pior. Nem mesmo na faculdade. Mas tenho certeza que era e sou uma das que mais estudava e deveria estar entre as melhores por esforço. Mas nunca foi assim. Sempre fui mediana.

Agora isso tem se refletindo 100% na minha vida e no que preciso decidir (que na verdade não sei o que é). O fato de nunca ter estado entre os melhores em praticamente NADA deve ser o que me faz ser competitiva, como falam.

E agora estou me sentindo sem chão, sem caminho e emburrecendo a cada dia que passa. Estou levando uma vida monótona e doméstica que eu nunca quis e sempre repudiei. Na verdade tenho me sentindo infeliz e me sinto ainda mais no fundo do poço quando a única pessoa que realmente se importa comigo diz que as pessoas me enxergam como um antro de energias negativas e repelentes... E quando nem meu próprio pai me liga no dia do meu aniversário ou foge da família no Natal é porque talvés seja verdade mesmo...

Só acho que se a minha mãe estivesse aqui agora iria ser mais fácil, eu ia ter pelo menos alguém que me desse um abraço sincero e mesmo que ela não tivesse a resposta para o problema( que seria mais provável, até porque ela sempre esperava que eu encontrasse respostas para os problemas dela...). O simples fato dela estar aqui me apoiando já me ajudaria a me achar...

Estou em crise existencial, já não sei quem eu sou direito. Só quero ficar quieta, pensar, botar pra fora toda essa minha raiva que tenho desse mundo injusto. Raiva da sorte que alguns que não merecem têm, na verdade raiva da minha própria falta de sorte.

Não, não estou de TPM. Ultimamente tenho sido a TPM em pessoa. Tudo tem me irritado, não tenho tido paciência com ninguém. Tento ter atitudes otimistas mas o meu pessimismo é tão maior, que destrói tudo de positivo que criei.

Alguém ai (né tia!) falou que eu precisava fazer mais pelo mundo??? E o que fazer quando o mundo não te dá oportunidades de fazer nada por ele? Quem sabe me ofereça ajuda TAMBÉM para pagar minha facul ...

Gente chegaaaaaa! Senão quebro o teclado de raiva... Que vontade de fumar e comer muito doce... Nossa!

GUSSS Fraba pra mim...Estou precisando fazer tratamento de raiva!

1 diagnósticos:

Marliborges disse...

Chelle, lindo texto apesar dos pesares. Dá licença, tenho que responder, e, de cara sugiro a seguinte agenda, observe:

hoje:
Não fume, nao coma doce, nao quebre o teclado, nao destile veneno nos outros, nao seja cruel.
Fique com raiva, bata pé, bata mão, quebre o coração, espalhe os caquinhos, atire alguns pela janela, arranque os cabelos, mas não todos, mulher careca é horrivel.

Amanhã, levante correndo, não olhe pros lados, junte os caquinhos antes que alguem pise e quebre mais, ajeite, cole, olhe bem, reconheça pra ver se nao faltou nada, se faltou, busque, trate de encontrar. Ótimo, agora corra e ache o tesouro. Não sabe? eu tbm não, mas Deus sabe onde encontrar... Pergunte, ore.

bjs