segunda-feira, 26 de abril de 2010

Blogagem coletiva - Cor roxa/lilás - Ai! Uiii! Mais um hematoma! - Não consigo manter algumas vidas

Olá pessoas!

Vamos a mais uma blogagem coletiva, iniciativa 10 da Glorinha do Blog Café com Bolo.

A cor desta semana é a roxa ou lilás ou também violeta (se eu não for Daltônica) heheheh.

Bem, esta cor não é lá muito fácil de eu escrever sobre ela, porque não me leva a muitas lembranças, ou problemas gravíssimossssssss de saúde que devam ser alertados.

Mas comecei a pensar e pensar sobre o assunto e me lembrei de "dois roxos" na minha vida.

Primeiro roxo:

Caro blogueiro, se tu me conhecesse pessoalmente iria saber o quanto desastrada eu sou.


Minhas pernas, meus braços, quadril, dorso é um museu de arranhões (principalmente dos meus gatos), feridinhas e muitoooooosss HEMATOMAS. É roxo pra todo lado!

Acho que não passo um dia sequer sem cair ou me bater em alguma coisa. Sou tão desastrada que me bato TODOSSSS os dias fazem dois anos em um mesmo parafuso de uma porta. Claro, eu podia ter tirado o maldito dali, mas não, sempre esqueço porque minha memória pra este tipo de coisa também não é uma Brastemp.

Não sei como consigo fazer isso.

Todos dias consigo a façanha de adquirir um machucado novo.

Se vou fazer uma comida me corto com faca, se vou acender uma vela me queimo, se caminho uma hora me bato em alguma coisa, ou tropeço e machuco o pé, se brinco com o cachorro ele pula de brincadeira me arranha e me morde (e dói mesmo sendo de brincadeira). Enfim, sou um perigo pra mim mesmo. Como isso é possível???

Deixando de lado a tragi-comédia, sério, agora mesmo enquanto eu escrevia este post, eu tinha deixado uma nega-maluca no forno e fui tira-la pois estava pronta e advinha? Queimei o dedo indicador. Normal, lá fui eu para a pomadinha de queimadura e agora estou digitando com um indicador lesionado aqui.

******************************************************************************
O segundo roxo da minha vida que me veio a mente foram as tão conhecidas flores, as violetas. Vou historiar o causo.

Acredito que tenho um dom e porque não dizer talento para cuidar das pessoas e animais. É algo que nunca forcei e sempre foi assim desde pequeninha. Pegava os bichinhos, cuidava, tratava etc, etc.

Depois veio a minha paixão devastadora pela medicina, por tratar, ajudar, por manter vivo.

Mas tem algumas vidas que não consigo manter.

Tentei diversas vezes ter uma planta. Sim, uma simples e pouco complexa planta. E não foi uma, foram realmente várias. TODAS morreram. Então desisti por uns anos dessa idéia.

Um dia me enchi de coragem, passei em um sebo, comprei uns livros e revistas sobre plantas e flores e fui escolher no supermercado na parte da floricultura as minhas novas "cobaias". Ah, lá estavam elas, as VIOLETAS.

Poxa, todo mundo tem uma violeta dentro de casa, não deve ser tão difícil assim cuidar delas... Pffff... Que ilusão!

Cheguei empolgada em casa. Arrumei um lugarzinho para elas (4 vasinhos no total) e fiquei a observá-las por algum tempo. Como sempre, a curiosade que matou o gato não demorou para bater nos meus 9 bichanos, e quase que como mágica aparecerem tudo na volta das coitadas cheirando, se esfregando e querendo mordiscar as folhas verdinhas e peludinhas.

Troquei de lugar de novo. Agora sim, ali ninguém pegaria, ou mascaria minhas novas filhas.

Tudo certo, fui aos livros para ler "os tutoriais de plantas e flores para iniciantes".

Depois de ler tudo, vi que não havia absolutamente nenhuma novidade para aquelas florzinhas. Mas fiz tudo exatamente como mandava o gabarito.

O primeiro dia passou e as 4 ainda estavam vivas. Ufaaaa! Consegui, pensei eu com ar vitória.

Acordei no segundo dia e fui correndo ver.

Não!!! Não podia ser!!! Uma delas já apresentava sinais de que estava ficando "doente" (?). Mas não desisti. Falei com uma biológa amiga que me deu uma dica. No inverno devido as temperaturas baixas eu deveria colocar uma água mais morninha, não quente, mas não podia ser fria.


Claro! Estava aí a solução!

E foi-se mais alguns dias fazendo exatamente assim.

Mas para minha infelidade minhas violetas não resitiram e foram morrendo uma a uma. Ai, que raiva! De novo não!

Desisti de plantas mais uns dois anos e lá fui eu.

Ah! Vou comprar uma planta mais simples desta vez.

- Esta não precisa fazer nada! Afirmou o rapaz da floricultura.

- Sei... Falei com tom irônico.

Comprei a monocotiledônea. Ela era da família das palmeirinhas e conforme o vendedor - com papo padrão de vendedor- ela era muitooooo resistente e não precisaria de nada além de um pouquinho de água.


É minha gente, a super-planta que sobreviveria ao holocausto, não durou uma semana nas minhas mãos.

Realmente há vidas que não consigo manter.

10 diagnósticos:

Tati Pastorello disse...

hahha
Michelle, hoje seu post me fez rir muito!!
Primeiro pelos hematomas. Sou do seu time! Também vivo assim.
Mas a história das plantas... kkk
Muito engraçado! Eu também não tenho facilidade com plantas (existe um livro chamado "A vida secreta das plantas", conhece? E você vai justamente para a mais difícil delas... Cuidar de violetas é coisa para seres transcendentais, cheguei a esta conclusão!
Beijos.

António Rosa disse...

Dois textos bem interessantes. Tem que se proteger para não ficar roxa de hematomas! :)))

abraço

Tida disse...

Chelle

Mas que delicia ler seu texto!
Seus desastres devem render boas histórias. Me diverti muito.

Foi dez!

Barbie Girl disse...

É tão legal saber como as cores estão na vida de nossos queridos amigos blogueiros.
mas te confesso que essa cor foi um desafio para mim...

Beijos e boa semana.

Manuela Freitas disse...

Querida Chelle,
Muito interessante e com uma boa energia positiva a tua blogagem roxa.
Em primeiro lugar tens que tratar melhor o teu corpinho, né?
Quantas às plantas, pela questão dos gatos eu passo o mesmo, é uma delícia para eles as plantas!
Sabes tens que tentar uma terceira vez, ter uma planta, à terceira é de vez!...
É bonito o teu mundo, visto pelos teus olhos.
Beijinhos,
Manú

Aline Schons disse...

heehhe Violeta me lembra a mãe. Pelo que lembro, ela também não tinha sorte com as dela. Eu nunca tive nenhuma planta, e a única que temos aqui em casa é uma Jibóia, que vive muito bem graças à grande umidade e ao fato de o meu gato ter começado a usar a sua terra como banheiro. De repente é isso que tá faltando para as tuas plantinhas, adubo! hehehe

Beijos

Glorinha L de Lion disse...

Ahahah....seu post tá ótimo Chelle! vc é mesmo uma figura! Mas ainda bem que só as plantas é que não resistem nas suas mãos....assassina de plantinhas indefesas mas pelo menos salva vidas!
Bjs.

Lu Souza Brito disse...

Ahhaha, só você mesmo.
Também sou a típica desastrada, mas só com batidas de canela, perna, braço.
Quanto as plantas, sempre tive violetas, adoro. Mas não há muito segredo. Algumas duram anos e floresce várias vezes ao ano e outras simplismente começam a amarelar as folhas, melar o caule e em pouco tempo já era. Não associe isso a sua pessoa.
Um bom adulto é bom, mas é importante colocar pouca agua, sempre tirar as folhas doentes, deixar proximo a luz, mas nao exposta diretamente ao sol, enfim!
É isso.
Beijos

efeitoseconceitos disse...

Chelle querida,
Quase morro de tanto rir com o seu post. Vendo você se descrevendo parecia que era sobre mim, que era da minha pessoa que vc estava falando. Sou também uma desastrada incorrigível.
Quanto a cuidar das plantinhas você é igualzinha a minha filha,rsrsrs.Poderia até ser minha filha também....Hehehehe
Bjo no core
Yoyo

Rozani disse...

Oi Chelle!
Adorei sua história do roxo.Coitada das violetas, né?!
Eu tb estou sempre com roxo e batendo nos lugares.
Bjs, Rozani