sexta-feira, 16 de abril de 2010

Mais uma despedida...

Olá!

Esta semana tem sido meio "down" para mim...

Graças a Deus não aconteceu nada com ninguém, está tudo indo bem e da maneira planejada. É que as despedidas sempre tem um quê de melancolia e tristeza. Mas não foi nenhuma pessoa que foi para longe não. Foi uma gatinha que estava comigo desde o fim de fevereiro.

Váriosssss animais de rua, maltratados e traumatizados já passaram pelas minhas mãos e não foi diferente com essa pequena. Achei ela em um ferro-velho, cheia de pulgas, suja de óleo de carro e tão magrinha que se enxergava todo o esqueletinho do anjinho. Cabia na palma da minha mão.


Levei pra casa, ao veterinário. Dei muita comida, remédio, carinho, atenção, meu tempo, meu dinheiro, minha dedicação, enfim, mais um integrante na família que já não é pequena. De bicho gente é apenas eu e meu "namorido", mas nossa família 4 patas é extensa: 8 gatos e 4 cães, e com a Taquarinha (nome dado a gatinha pelo fato de termos achado ela em um ferro-velho na cidade de Taquara) ficamos nos 9 felinos. Ufaaaa! É gato que não acaba mais!


Mas continuando a história. Ser casa de passagem é assim: se trata os animais e tenta-se achar os melhores donos possíveis para eles.

Mas clarooooo, a despedida é sempre difícil.

Rola aquela angústia, aquele aperto no peito, aquele medo... Será que esta pessoa vai cuidar direitinho desta criaturinha???


Sei que é impossível prever e saber se tudo vai dar certo, mas sempre tento pesquisar sobre a pessoa antes de passar a guarda do bichinho e exijo receber notícias pós- adoção. A internet facilitou tanto isso... Antes se doava um animal e nunca mais se ficava sabendo notícias. Hoje consigo receber notícias, fotos, vídeos quase semanalmente dos meus ex-protegidos.

Mas mesmo assim o primeiros dias são doloridos...

Afinal, como não amar uma criatura que não te pede nada em troca? Que não se importa com tua aparência, com teu estatus social, com nada... Que somente tua presença já é o suficiente para fazê-lo feliz - e ronronar muito - claro que a comidinha está sempre presente pois ninguém sobrevive só de amor... ehheeheheh

Sabe, uma coisa que JAMAIS entenderei e fico doente sempre quando ouço falar ou leio sobre é como que algumas pessoas conseguem fazer atrocidades com animais. Sinceramente, acho que este tipo de gente nem gente é. NA MINHA OPINIÃO, quem consegue olhar nos olhinhos de um animalzinho e maltratá-lo, matá-lo ou coisa parecida é MUITO capaz de fazer o mesmo com uma pessoa, e já foi até comprovado, que a grande maioria dos assassinos tiveram nos seus históricos a agressão e assasinatos de animais. Mas isso é assunto para outrooooo post. É que é tão difícil não me manifestar sobre isso sempre que falo de animais...


Mas só para concluir, estou na torcida que esta pessoa que adotou a Taquarinha possa dar o carinho e dedicação que ela merece, e que esta gatinha possa fazer seu novo dono muito feliz assim como fez a mim durante sua estadia aqui em casa.


É isso!

Até!

6 diagnósticos:

Rozani disse...

Oi Chelle!
Dá muita pena de se despedir de um bichinho que agente gosta.Eu tenho uma poodlle. Tá ficando bem velinha... tem 12 anos.Quero vê, quando ela se for.Vai ser barra pesada.
Bjs,Rozani

Barbie Girl disse...

Oi Chelle

Para iluminar:
"Sou grata a Deus por não dizer o que nos acontecerá no futuro.
As vezes seria pesado demais.
Mas saber que o próprio Deus tem em suas mãos, o passado, o presente e o futuro, deveria tranquilizar nossa mente."

beijos e bom fim de semana!

Chelle disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aline Schons disse...

hehehe Pobre, Taquarinha. Pelo que tu já me disseste, não tem pq se preocupar, o nome dono com certeza irá tratá-la muito bem. E daqui a pouco aparece um outro bichinho precisando de ajuda, a saudade diminui um pouco e tu vais perceber que fez a coisa certa.

Um beijinho pra Taquarinha!

Lu Souza disse...

Que o novo dono seja tão amoroso e cuidadoso quanto você. Mas se se prontificou a adotá-la, deve ter amor né não???
Eu adoro cachorros (gatos acho lindos, mas nao gostaria de ter um).
Meu beagle tem só 3 anos e já fico pensando quando ela ficar velhinha ou quando nao tiver com a gente, deus me livre, ela é tão companheira, tão amiga!

Luma Rosa disse...

Sempre tive animais em casa, mas nunca pude ter o tanto que gostaria e admiro você por ter tanto amor disponível e colocá-lo em prática. A minha mãe sempre reclamava dos meus animais, mas nunca deixou de ajudar a cuidar, dando comida, medicando e a fazendo a higiene.
A falta de consciência de que os animais são seres vivos, com sentimentos é o que fazem 'humanos' coemterem tantas atrocidades. Acreditam que os animais não tem alma e quem pode afirmar isto? Será que nós temos alma ou essa afirmativa serve somente para distinguirmos como animais superiores?
Bom fim de semana! Beijus,